13 de maio de 2007

Mãe




Mãe

Eu sou o amor nascido
Em tempos errados



Eu sou o tempo dos corações deixados
Eu sou um coração morto
Que amou muito de repente



Eu sou a morte de um coração doente
Eu sou o espaço em busca do infinito maior
Eu sou o infinito que me faz menor
Eu sou o caminho para passos lentos e pra alguém pisar



Eu sou a latidão de um caminho que fica
Para o mesmo alguém voltar
Eu sou um poema que só falta um verso
Para que tenha fim



Eu sou a própria falta do verso e da vida
Porque falta eu em mim
Eu sou um erro cometido
No momento exato



Eu sou um momento errado, mas eu sou um fato
Que dele se tira
A palavra... *Amor*

(autor desconhecido)

bjs

dr x

Um comentário:

Angélica disse...

Que lindo esse poeminha .... autor desconhecido ...quem sera ke escreveu né??tao profundo.!!

bjus mil.