17 de junho de 2006

Micha tinha razão, o segredo é dar a mão..lembrando de seu post no dia 12, peguei esta matéria no jornal...sensacional

abraços

dr x

Mãos dadas no cinema
(texto de Martha Medeiros ? O Globo, 11/junho/2006)

No dia dos namorados, os restaurantes lotam, os vinhos são escolhidos e as velas em cima da mesa são acendidas. Há todo um clima propício para olhos nos olhos e confirmações verbais do amor. Clichê pra quem vê de fora. Estando dentro, aceitam-se as regras do jogo, é uma das formas recorrentes de comemoração. Mas tivesse eu que escolher o símbolo máximo do namoro, não me restringiria aos prazeres da mesa e nem mesmo aos da cama, incluindo entre os da cama colocar sobre a colcha um gigantesco bicho de pelúcia, um dos presentes preferidos para celebrar a data. Namoro que é namoro está representado por algo muito mais simples, sutil, barato e íntimo: os dedos entrelaçados no escuro do cinema. De mãos dadas se constrói uma relação.

Do que sentem falta os amantes clandestinos? Luxúria eles têm de sobra. O que lhes falta é esta forma brejeira de intimidade: dar-se as mãos. Na rua é arriscado, há olhos por todos os lados, já no cinema é possível providenciar um encontro às escuras e ali realizar a mais tórrida aproximação de corpos, um ato realmente subversivo para adúlteros: unir as mãos como dois namorados.

Se, ao contrário, o casal tem um namoro oficializado, sem razão para segredos, ainda assim o segredo se manterá entre eles pelo simples fato de que as mãos dadas dentro do cinema não são uma representação pública de amor e sim um carinho privado. Ninguém está testemunhando, ninguém está reparando, a platéia está toda de olho na tela e o casal também, porém seguros um no outro através de um entrelaçamento que, à luz do dia, seria corriqueiro, um simples hábito sem maior significância, mas que num espaço compartilhado com estranhos, no escuro, torna-se uma forma particular e irresistível de cumplicidade.

Este gesto mundano e trivial pode às vezes ser mais importante que um beijo ? que um beijo! Pergunte a uma viúva do que ela mais sente falta do falecido, e é bem possível de ela lembrar só dos incômodos que o infeliz causava, mas as mãos agarradas dentro do cinema hão de despertar sua saudade.

Pergunte a mesma coisa a alguém que está passando por uma dor-de-cotovelo daquelas. Mesmo sofrendo, é provável que não se comova com a lembrança das brigas e nem dos ?eu te amo?, mas ter de assistir a uma comédia romântica de braços cruzados há de ferí-la de morte. E os casados há 20 anos, há 30, há 50 anos? Podem hoje ter o costume de rugir um para o outro na sala de jantar, mas dentro do cinema ainda se tratam como se tivessem se conhecido ontem e não perdem o hábito instaurado no primeiro filme de suas vidas. Se não o fazem, é porque o casamento já acabou e não foram avisados. O último resquício de amor ainda se confirma com as mãos dadas dentro do cinema. Há salvação para os que as mantêm unidas ao menos ali.

Amanhã será dia de restaurantes lotados. Muitas garrafas de vinho serão abertas, umas tantas outras de champanhe. O estabelecimento que tiver fondue no cardápio servirá fondue, e mesmo as pizzas serão degustadas como um prato especial. Pudera, é mesmo um dia especial.

Mas será dentro dos cinemas que a declaração mais terna e espontânea se dará.

3 comentários:

Palpiteira disse...

Apertos de mãos, abraços, beijos, tudo é bom quando se está amando. Quando duas pessoas se amam de verdade, dia dos namorados é todo dia. :)
Acabaram-se as férias?
Beijos.

Advi Morena disse...

Ai que lindoooo
Ta confesso que sou apaixonada assumida!!!!
E eu adoro mãos dadas!!!
BJokas

luma disse...

Algumas coisas só perduram com a prática. Namorar é uma delas. Vejo casamentos sem namoro. Isso é triste, muito triste. Boa semana! Beijus