31 de julho de 2007

quero saber

Quero Saber


Por quê viver está sendo sinônimo de sofrer
Onde se escondeu nossa alegria
Por quê a violência cresce a cada dia
Por quê ninguém deseja um “bom dia”

Quero saber,
Onde anda essa tal dignidade
Por quê escondem a verdade?
Por quê o medo da felicidade?

Quero saber,
Por quê o prazer em magoar
Essa facilidade de julgar
Por quê o medo de amar

Quero saber,
Por quê não sonhamos
Por quê nos decepcionamos com as pessoas que mais amamos
Por quê tanta pobreza
A preferência pela riqueza
Por quê falta comida na mesa

Quero saber,
Por quê tanta desigualdade
Tanta impunidade
Onde está o valor da amizade

Quero saber,
Por quê não lutamos
Por quê não conversamos
Basta uma briga
Logo nos separamos
O que fazer com todos esses anos
É um grande sofrimento
Acabar com um casamento
Desfazer um relacionamento

Quero saber,
Por quê tanta mentira
Por quê tanta maldade
Alguém viu a honestidade
Que sumiu com a corrupção
Que envolve a nossa cidade

Quero saber,
Se um dia tudo isso vai mudar
Depende de nós
Lutar por um mundo mais feliz
Enquanto isso, lhe peço, meu Deus
Abençoe este país...

(autoria de Jose Cardoso Junior – Rio de Janeiro/RJ)

3 comentários:

Pensando disse...

Com certeza quando as primeiras caravelas aportaram no Rio, os índios que lá viviam tinham tudo o que essa poesia relaciona. Mas junto com as caravelas vieram os políticos, que aliás, mandaram as caravelas. E o povo continuava os elegendo...o resto todo mundo sabe.
Fora o pecado do voto, que pode ser induzido, há o pecado do comodismo, da alienação, do deixa estar que domingo dá praia e roda de samba. Prisioneiros no paraíso...

Anônimo disse...

palpiteira voltou
www.palpiteira.wordpress.com

palpiteira disse...

Vieram avisá-lo da minha volta anonimamente? Putz! Até parece que precisava, né, doutor? Eu, há alguns dias, recebi um cartão "em seu nome", mas não consegui agradecer; deu como remetente desconhecido. Será que era seu mesmo? E eu? Será que sou mesmo a palpiteira? :)
Está poético, hein?